Imprensa -

Consumidor de BH acumula dívidas em atraso, mostra CDL/BH

Sugestão de Pauta

O encarecimento do custo de vida das famílias e as elevadas taxas de juros têm levado muitos consumidores da capital a acumularem dívidas. Isto foi o que apontou os dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), ao registrar em março, aumento de 8,11% no número de dívidas em atraso, na comparação com o mesmo mês do ano anterior.  O crescimento é o maior dos últimos quatro anos, nesta mesma base de comparação. Em março de 2015, o índice ficou em 0,44%; em 2014 em 1,46% e em 2013 apresentou queda de 0,05%.
(Gráfico 1)


Segundo a economista da CDL/BH, Ana Paula Bastos, o crescimento do número de dívidas em atraso por consumidor, é reflexo, sobretudo, da pressão inflacionária. “Os gastos básicos de uma casa estão ficando cada vez mais caros. E a renda do consumidor não está sendo suficiente para manter todas as despesas”, explica. “Além disso, o orçamento do brasileiro tem sido impactado pela elevação das taxas de juros”, completa.
 

Na comparação com o mês imediatamente anterior (Mar-16/Fev-16) o número de dívidas em atraso apresentou aumento de 1,53%. O crescimento também é o maior dos últimos quatro anos, nessa mesma base de comparação. “Além do efeito corrosivo da inflação e dos juros sobre o orçamento dos consumidores, outro fator que tem contribuído com esse aumento é a falta de planejamento financeiro. Muitos belo-horizontinos não têm organizado suas finanças e nem realizado um reserva financeira e, ao se depararem com um imprevisto como, o desemprego ou doença na família, acabam acumulando dívidas”, explica a economista da CDL/BH.
(Gráfico 2)


Perfil – Em março, a maioria dos consumidores da capital com dívidas em atraso (8,07%) é do sexo masculino. Por faixa etária, o maior número de consumidores com débitos atrasados (16,66%) concentrou-se entre 50 a 64 anos. Segundo Ana Paula, boa parte desses belo-horizontinos são responsáveis financeiramente por suas famílias e devido ao aumento do custo de vida estão com mais dificuldades em equilibrar seu orçamento. 
(Gráfico 3)


Inadimplentes – Já o número de pessoas inadimplentes no SPC da CDL/BH registrou alta de 5,22% em março, na comparação com o mesmo mês do ano anterior (Mar-16/Mar-15). Quando comparado com o mês imediatamente anterior (Mar-16/Fev-16), o crescimento foi de 0,93%.

Para a economista da CDL/BH, o aumento da inadimplência nessas bases de comparação é resultado da piora dos indicadores de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte. “O aumento do desemprego impacta diretamente no orçamento das famílias. O consumidor entra em uma situação em que a renda não consegue suprir todas as despesas da casa”, finaliza.